ActualidadeTecnologia

Telegram a rival do WhatsApp, vai permitir chamadas de vídeo entre os usurários

O aplicativo russo, disponível para celulares Android e iPhones, irá disponibilizar a função para todos ainda este ano

Rival do WhatsApp, o russo Telegram testa um recurso que permite chamadas de vídeo entre usuários do aplicativo. A novidade, por ora, está disponível apenas nas versões preliminares do app para telemóveis com sistema operacional Android e iPhones. A empresa não informou quando irá disponibilizar a função para todos.

O Telegram conta hoje com 400 milhões de usuários activos por mês, enquanto o WhatsApp conta com 2 bilhões — sendo cerca de 120 milhões só no Brasil, segundo maior mercado da companhia depois da Índia.

As duas empresas prometem compromisso com a privacidade dos usuários, apesar de o Telegram ser multiplataforma e guardar histórico de conversas, enquanto o WhatsApp só funciona em um smartphone por vez e armazena conversas localmente

Em nota, o Telegram afirma que vai priorizar tanto a experiência do usuário como a segurança na oferta do novo recurso.

“Existem aplicativos que são seguros ou com boa experiência de uso, mas não os dois ao mesmo tempo. Queremos corrigir isso, e vamos focar em entregar a você chamadas de vídeo seguras em grupo e com boa experiência de uso em 2020”, informou a empresa.

Enquanto o Facebook é dono do WhatsApp, o Telegram pertence aos irmãos Nikolai e Pavel Durov, que também são fundadores da rede social russa VK, uma espécie de Facebook popular na Rússia.

O novo recurso de chamadas de vídeo chegará ao Telegram num ano com alta de demanda por esse tipo de serviço digital. A consultoria Global Market Insights estima que a receita mundial do sector de videoconferência subirá 19% em 2020, atingindo 16,7 bilhões de dólares. O ritmo de crescimento seguirá estável até 2026, quando o número atingirá 50 bilhões de dólares.

Em abril deste ano, a tendência fez com que a empresa americana Zoom Video Communications atingisse 200 milhões de usuários por dia em seu aplicativo, oferecido para computadores e celulares, diferentemente do que acontece com o Whatsapp, restrito a celulares.

Fonte: EXAME

Compartilhar

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Back to top button
Close